Olhos Quotes

Authors: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
Categories: A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z
o-vidente-evidencia-vida-em-visees-e-meus-olhos-se-cegaram-para-as-verdades-menores-e-apenas-o-supersenico-das-microfraturas-me-guia-na-escurideo-forjatriz-filipe-russo
aprendi-que-viajar-ainda-e-melhor-forma-de-alterar-vida-mudar-as-ideias-e-abraear-inspiraeeo-mas-devemos-estar-de-olhos-bem-abertos-e-ansiosos-por-agarrela-ou-e-um-desperdecio-ad
e-preciso-que-todos-os-que-lidam-comigo-se-conveneam-de-que-sou-assim-e-que-exigirme-os-sentimentos-alies-muito-dignos-de-um-homem-vulgar-e-banal-e-como-exigirme-que-tenha-olhos-
me-fascinam-os-teus-olhos-quando-brilham-pouco-antes-de-escolher-quem-te-seduz-e-me-fascinam-os-teus-medos-absurdos-estaca-o-alho-o-fogo-o-sol-cruz-seixas-raul
uma-pessoa-envelhece-lentamente-primeiro-envelhece-o-seu-gosto-pela-vida-e-pelas-pessoas-sabes-pouco-pouco-tornase-tudo-teo-real-conhece-o-significado-das-coisas-tudo-se-repete-t
As me£os de Zahara apertaram fortemente a saia. - Vais infligir-me a humilhae§e£o de ser eu a dizeª-lo? Lochan levantou-se. - Jamais desejaria que te humilhasses. Eu sei, sei-o he¡ je¡ demasiado tempo. Zahara sentiu o corae§e£o pular. - Se o sabes, porque nunca... - Esquece-me, Zahara, pois ne£o sinto o mesmo - interrompeu ele. Ela recuou. - Mentes... Porqueª? Eu sei... O modo como me tratas, como me olhas. Eu sei que gostas de mim, vejo-o no teu olhar, vejo-o neste instante! Lochan sentiu os olhos dela mergulharem nos seus. - Durante anos foram-me apresentados pretendentes das mais nobres fame­lias - ouviu - Todos me dariam o conforto a que estava habituada, todos me cobririam de joias, de vestidos luxuosos... no entanto, eu recusava-os. Recusava-os porque ne£o via nada no seu olhar. Para eles, eu seria como um trofeu, serviria apenas para provocar inveja. Uma nuvem cobriu o sol, deixando-os na sombra. - Inconscientemente tornei-me arrogante, altiva, somente para os afastar de mim, para que ne£o desejassem casar-se com alguem como eu... Mas tu, tu viste para alem da me¡scara que construe­. Naquele dia, na capital, tu viste o que ninguem foi capaz de ver: o meu corae§e£o. - Zahara... - Ne£o acredito que ne£o sintas qualquer amor por mim. Lochan voltou-lhe as costas. - Ne£o quero saber se es pobre, ne£o me importo com o teu passado. O que sinto por ti e o que sempre desejei sentir - ouviu. O sileªncio envolveu-os por momentos. - Lamento... Zahara correu para a frente dele. No seu olhar era vise­vel desespero. - Ne£o te agrado, e isso? Ele limitou-se a desviar o rosto. - Responde-me! - Como poderia ficar indiferente a alguem como tu - disse voltando a olhar nos olhos dela. - Ente£o porqueª, porqueª? Lochan agarrou-lhe nos ombros, assustando-a. - Esquece-me por favor. Odeia-me. Odeia-me por isto com todas as tuas fore§as, mas ne£o me ames, nunca me ames, Zahara. Lochan largou-lhe os ombros. Ela ficou sem reace§e£o, e as le¡grimas voltaram a molhar o seu rosto. - Ne£o me fae§as isto... - implorou. O olhar dele tornou-se gelido. O seu rosto mostrava-se agora te£o indecifre¡vel, como o de uma este¡tua. - Odeia-me pelo sofrimento que te acabo de causar e depois esquece-me - disse deixando-a so. Zahara viu-o desaparecer por entre as colunas do pale¡cio.

Susana Almeida
as-meos-de-zahara-apertaram-fortemente-saia-vais-infligirme-humilhaeeo-de-ser-eu-dizelo-lochan-levantouse-jamais-desejaria-que-te-humilhasses-eu-sei-seio-he-je-demasiado-tempo-za
Estou decidida a adorar-te durante toda a vida e a ne£o ter olhos para mais ninguem. E asseguro-te que tambem tu fare¡s bem em ne£o amar mais ninguem. Poderias, acaso, contentar-te com uma paixe£o menos ardente do que a minha? Encontrare¡s, talvez, maior beleza (e, no entanto, disseste-e outrora que ne£o me faltava beleza), mas ne£o encontrare¡s jamais amor tamanho - e o resto ne£o conta. [... ] Conjuro-te a que me digas por que e que te empenhaste em me encantar como fizeste, se je¡ sabias que me havias de abandonar? Por que e que puseste tanto empenho em me tornar infeliz? Por que ne£o me deixaste em paz no meu convento? Tinha-te feito algum mal? [... ] Atribuo toda esta desgrae§a e  cegueira com que me abandonei a dedicar-me a ti. Pois ne£o devia eu prever que os meus prazeres acabariam antes que acabasse o meu amor? Podia eu esperar que ficasses para sempre em Portugal e que renunciasses e  tua fortuna e e  tua pe¡tria para so pensares em mim? [... ] Bem claramente vejo qual seria o remedio para todos os meus males e em breve me libertaria deles se deixasse de te amar. Mas ai de mim!, que terre­vel remedio! Ne£o! Antes quero sofrer ainda mais do que esquecer-te... Infeliz que sou! Dependere¡ isso de mim? Ne£o posso acusar-me de ter desejado, nem que fosse so por um momento, deixar de te amar! [... ] Ne£o e para te obrigar a escreveres-me que digo todas estas coisas. Oh!, ne£o te violentes! De ti ne£o quero nada sene£o o que espontaneamente vier e recuso todos os testemunhos de amor que constrangido me desses. Comprazer-me-ia em desculpar-te, so porque talvez tu te sintas bem em ne£o ter o ince´modo de me escrever, e sinto uma profunda disposie§e£o para te perdoar todas as faltas que cometeres.

Mariana Alcoforado
estou-decidida-adorarte-durante-toda-vida-e-neo-ter-olhos-para-mais-ninguem-e-assegurote-que-tambem-tu-fares-bem-em-neo-amar-mais-ninguem-poderias-acaso-contentarte-com-uma-paixe
?Earn cash when you save a quote by clicking
EARNED Load...
LEVEL : Load...